cotidiano

Adeus, pedrinha. Oi, gente!

30/04/2016

Nesta semana, vivi algo curioso e inexplicável – e não no sentido muito bom da coisa. No dia 28/04 (justo no dia em que comemoro mês de aniversário de namoro com o Tico), fui ao médico para tratar aquela dor no rim, sabe, que eu falei aqui no blog há mais de um mês. Botei os exames debaixo do braço e fui. Esperei um pouco mais de uma hora pra ser atendida.

O médico me fez umas perguntas. Olhou pra mim. Olhou pro exame. Olhou pra mim de novo. Eu já estava ficando meio nervosa. Ele botou a mão na minha testa:

– Você está com febre. E com uma pedra grande no canal da urina. – ele disse e eu fiquei sem o que responder, já que eu estava ali mesmo para acabar de vez com a dor que essa maldita pedrinha estava me causando. Já estava até calculando quantos copos de água por dia teria que tomar… – Priscila, esses exames são de 5 dias atrás, você teve alta febre mês passado já e agora está de novo. Você está com infecção e, se está com febre, é porque ela já atingiu o rim. Se a pedra está no canal, ela não vai deixar a infecção ir embora, já que urina não passa. Não adianta tratar a infecção com pedra, você me entende?

– Sim… – eu só queria saber que remédio teria que tomar para expelir a pedra e me mandar dali. Ledo engano.

– Vou te internar. Hoje, agora a noite. E amanhã tiraremos essa pedra.

Eu? Internada? Num hospital? Operar? Eram informações demais para a minha cabeça, mas sim, eu seria internada querendo ou não, e seria operada. Não tinha escolha. O medo do médico era da infecção contaminar qualquer outro órgão, já que a febre que eu estava no momento era alta.

Chorei? Sim. Me apavorei? Também. Essa foi uma das notícias mais estranhas que recebi em minha vida. Ele me explicou certinho como seria o procedimento, não era complicado, mas teria que fazer tudo como uma cirurgia. Ah, e eu com esse pavor de hospital que tenho…

Na mesma noite fui parar no leito que separaram pra mim. Fiz os exames, tomei os remédios. Não dormi. A vida do hospital não me deixou descansar. Eu pregava os olhos e pufff… uma enfermeira entrava para verificar como eu estava ou me dar mais remédios.

Na manhã seguinte, a operação veio. Eu não sei dizer para ninguém como foi. Só lembro de eu sentada, tomando a anestesia e, depois, acordando na recuperação para ir ao quarto. Apaguei mesmo. Soube que a pedra tinha bem mais que 1cm e que ela não sairia sem intervenção cirúrgica de qualquer jeito. É aquela velha história: a gente sempre dá um jeitinho de escapar e/ou adiar algumas situações, mas tem momentos que não dão mais.

 Nomeei o meu cabide de soro de Fred. Passamos grandes momentos juntos. E finalmente hoje, sábado, tive alta. Nesse período de quase 2 dias ao todo, tive que superar alguns medos e receios bem bobos. Eu tive medo da anestesia, tive medo da operação em si, tive medo de estar naquela situação e naquele local sem saber o que aconteceria depois, sem saber muito bem o que esperar do amanhã. Mas tudo veio e foi assim, rapidinho. E minha recuperação está bem boa.

Descobri que não curto mesmo comida de hospital e que dormir nele é quase impossível. Descobri que posso até viver comendo bolacha de água e sal para não tomar a famosa sopinha, mas só se o Fred estiver carregado de soro glico-fisiológico (ou algo assim) ao meu lado, já que sem ele estou mais fraca e cansada do que estava no hospital. Descobri que fui furada mais do que eu gostaria e estou cheia de hematomas. Mas, a boa é que estou sem a pedra, sem dor e que não preciso carregar a farmácia ambulante para quando saio.

Agora já posso voltar a ser eu mesma!

PS: Cuidem do rim. Ele é um órgão importante para nós, então, bebam muita água! E, ao contrário do que dizem, suco de laranja e limão fazem muito bem para ele, pois o ácido cítrico evita a formação de pedras! Juro que não desejo a dor de pedra no rim pra ninguém nesse mundão de meu Deus.

***

Acompanhe o Stuck on Them: Facebook | Twitter | Instagram | YouTube

cotidiano

Peixe, peixinhos

25/04/2016
peshes

Há um pouco mais de um ano, contei aqui no blog que eu adquiri meu primeiro peixe betta, o Rob. Laranjinha e pomposo, ele desde então estava fazendo companhia na minha mesa de trabalho. Muita gente deve achar até meio sem graça ter um peixe de estimação, já que eles ficam no aquário e não dá pra interagir… mas eu digo e garanto que isso é uma convicção errada. Quando entro no quarto, eles ficam nadando pra lá e pra cá bem rápido, quando passo o dedo delicadamente no aquário, eles vêm pertinho; são criaturas que se acostumam com você e pegam “carinho” por você, sim.

Depois de um tempo com o Rob, comprei um aquário maior, só que junto com ele, comprei outro peixinho betta, um roxinho meio azulado e preto, o Teo. Acabei levando uma beteira dupla, com um separador diagonal. O novo peixinho se adaptou bem, ele é bem mais serelepe, só que o Rob odiou! Ele não nadava por nada. Ficava escondido o dia todo e não comia. Eu entrei em desespero porque achei que ele estava muito doente, quase morrendo! =( Mas, nessa semana, descobri que ele só não gostava do outro aquário mesmo…

Outra coisa que aconteceu quando peguei o Teo, foi que quando colocava as bolotinhas de comida para ele, ele não conseguia pegá-las. Percebi que sua boca era um pouco menor que a do Rob e, como as bolotinhas são grandinhas, ele não conseguia sugá-las, ou seja, ele não estava se alimentando bem. Então, lá fui eu cortar bolotinha por bolotinha até ficar bem pequena e ele conseguir comer. Sim, eu faço isso até hoje com a maior paciência do mundo porque ele precisa de mim.

Nessa semana que passou, comprei um aquário novo para eles. É menor, mas ambos adoraram e não param de nadar pra lá e pra cá. Até o Rob voltou ao normal…  Meu plano agora é comprar mais um peixinho, um amarelinho lindo que vi numa pet shop nesses dias (a loka dos peshe tudo). Para falar a verdade, quero um aquário gigante para um monte de peixe e se possível, um tigre d’água hehehe (mas isso é história pra outro post).

E como eles ficam do meu lado praticamente o dia todo, resolvi registrar algumas fotos dessas coisinhas coloridas pra vocês! 🙂

DSC_0022 DSC_0024 DSC_0026 DSC_0034 DSC_0036 DSC_0040 DSC_0044 DSC_0050 DSC_0051

***

Acompanhe o Stuck on Them: Facebook | Twitter | Instagram | YouTube

moda e beleza Mulherzice

Testei: Batom Matte Stick, da Vult

24/04/2016
DSC_0007

Como a maioria de vocês sabem, eu adoro batom, principalmente os matte. Sempre nas minhas andanças pela cidade, gosto de passar nas perfumarias para ver se tem algo novo para que eu possa testar e mostrar para vocês. E o escolhido da vez foi o Batom Matte Stick, da Vult.

Semana passada, eu falei do quinteto de sombras da mesma marca e agora trago mais essa novidade pois: além de ser acessível, ele acabou de ser lançado e estou fazendo resenha em primeira mão para vocês! =)

DSC_0009

Este batom me lembra bastante um da Avon, PORÉM, a sua grande diferença é: ele é de alta cobertura, longa duração e bem cremosinho na hora de aplicar mesmo sendo matte. A impressão que dá é que o batom dá uma “secadinha” quando se passa nos lábios, mas não deixa ressecado nem craquelado. O seu formato em forma de lápis ajuda muito na hora da aplicação e, o melhor de tudo, é que ele dispensa apontador, é só girar a “bundinha” do lápis que a bala do batom sobe – algo que achei isso algo bem positivo, pois odeio ficar apontando lápis e toda a sujeira que aquilo causa.

Sua cartela contém 12 cores diferentes, que vão dos tons nude, rosados, arroxeados, avermelhados e vinho. Sua textura é bem macia e mantém os lábios confortáveis e coloridos por boas horas.  Eu adquiri a cor 09, que é um vermelho mais fechado com um fundo meio cereja (o único ponto negativo, ao meu ver, é que as cores não possuem nomes próprios, somente numeração. Eu prefiro quando a marca se preocupa em dar um nome específico para cada cor hehe). 

DSC_0020 DSC_0021

Por ele ser matte, não transferiu facilmente e nem manchou os dentes (algo que eu acho super importante). Quando eu utilizei, sua cor aguentou bem, durante umas 4 horas sem retoque, sem escorrer e deixou meus lábios bem hidratados.

DSC_0019

Se você está buscando um batom prático de passar, com cobertura matte, porém que deixa os lábios com um aspecto bem bonito e natural, eu recomendo este! Fiquei muito feliz com o resultado e agora estou desejando todos da coleção! Ao meu ver, a Vult preza pela qualidade e bem estar de suas clientes e não pesa em nada no bolso. Neste batom, eu paguei R$ 24,90!

Gostaram da novidade?! Contem pra mim! 😉

***

Acompanhe o Stuck on Them: Facebook | Twitter | Instagram | YouTube

livros resenhas vídeos

Resenha: Um herói para ela, de Lu Piras

20/04/2016
THUMB

Oi gente!

Hoje vim falar de mais um livro nacional, o Um Herói Para Ela, da Lu Piras. Um livro que envolve realizações de sonhos, amor, amizade e muito romance, vale a pena ser lido para quem quer adoçar um pouco a vida hehehe. Então assistam e, se vocês já leram, comentem aqui embaixo para eu saber as suas opiniões!

***

Acompanhe o Stuck on Them: Facebook | Twitter | Instagram | YouTube

 

moda e beleza Mulherzice

Gostei: Quinteto de Sombras Classic, da Vult

19/04/2016
DSC_0001

Uma das coisas que faltam nos meus itens de maquiagem, era uma paleta de sombra “coringa”, sabe? Às vezes, quando eu queria caprichar na maquiagem para algum evento ou festa, sempre faltava o “tchan” das sombras. Num dia, indo à farmácia, encontrei essa paletinha da Vult e achei super amor – além do preço ser super acessível!

DSC_0002
Esse quinteto possui cores mais básicas e neutras, para quem curte uma make mais leve, principalmente para o dia a dia. Ela possui um marrom maravilhoso para marcar o côncavo, um dourado meio café lindo, um marrom mais claro e dois tons de rosinha para dar aquela iluminada no olho.

DSC_0003 DSC_0008 DSC_0004 DSC_0010 DSC_0004_2 DSC_0011 DSC_0006 DSC_0012 DSC_0007 DSC_0013

Com essa paleta, você consegue fazer makes bem delicadas, com o canto interno do olho iluminado com o rosinha bem claro, a pálpebra móvel rosa e um côncavo bem marcado de marrom. Ou então, quando quiser variar e fazer algo mais chamativo, só apostar brilho dourado café que fica um amor!

Essas sombras tem uma boa pigmentação e uma textura bem aveludada, PORÉM, ela esfarela muito! Sua fixação é mediana, mas para durar mais do que uma hora, por exemplo, eu recomendo o uso do primer, já que não possuem uma aderência forte.

DSC_0016

Ao todo, são sombras boas, de boa qualidade e pigmentação, e dá pra fazer makes lindas com ela, o que vale muito pelo custo benefício – paguei R$ 25,00 numa farmácia daqui de São Carlos, porém seu preço pode variar bem, encontrei na internet entre R$ 16,00 à R$ 29,90!

Alguma de vocês já testaram esse quinteto? O que acharam? Contem pra mim! =)

***

Acompanhe o Stuck on Them: Facebook | Twitter | Instagram | YouTube